15 abril, 2017

Cem anos de perdão






Clarice as vezes engata em seus contos , temáticas iguais mas com perspectivas diferentes. 
No conto anterior, falou-se sobre perdoar Deus e sua brutalidade com suas criaturas, aqui com menos intensidade , o perdão também será requirido.


Ainda em Recife duas colegas de escola admiram a rua dos ricos, as casas mais bonitas da região e com jardins bem cuidados.


Uma das meninas tem a ideia de entrar no jardim e roubar uma rosa. A beleza lhe chamava a atenção, e neste instante nasce lhe o desejo de possuir aquela rosa, tão vermelha e aveludada.



No meio do meu silêncio e do silêncio da rosa, havia o meu desejo de possuí-la como coisa só minha. Eu queria poder pegar nela. Queria cheirá-la até sentir a vista escura de tanta tonteira de perfume



Ela friamente inicia seu plano de menina, o qual ela entraria sem fazer barulho no jardim e a outra vigiaria e daria o alarme, caso alguém se aproximasse.


Ela com a adrenalina a mil, efetua seu plano de roubar a rosa.


Mas sua mão leve , também trabalha na imensa pitangueira de uma igreja presbiteriana.


Este conto é sobre a sensação de roubar rosas e de como nenhuma condenação ou moralidade se aplica a estes pequenos atos infantis.


Até chegar à rosa foi um século de coração batendo


Leia as impressões da Silvia sobre este conto - No Reflexões de Silvia
Clicar Aqui




*Este conto pertence ao livro - Felicidade Clandestina






Clarice Lispector - Todos os Contos
       Editora Rocco - Capa Dura - 656 Pgs
        Organizado por Benjamin Moser

                   
                    Marcia Cogitare



7 comentários:

  1. Olá, a cada nova resenha sobre esses contos fico com mais vontade de ler o livro, que se destaca em sua originalidade e sutilidade ao abordar os mais diversos assuntos. Beijos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Alison, Clarice é fenomenal. Nos acompanhe na leitura dos contos.
      Tenho certeza que vc irá curtir a escrita da autora.

      Hug :D

      Excluir
  2. Oi, Marcia!
    Faz um bom tempo que não leio nada dessa magnífica autora. Mas gostaria muito de ler esse livro. Sua escrita é inteligente e envolvente! Dica super anotada.
    Beijos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Márcia, sabe que Clarice é uma das minhas autoras favoritas e dividir este projeto com vocês me deixa muito feliz.

      Fiquei curiosa em saber o que vc já leu da Clarice.

      Hug :D

      Excluir
  3. Marcia!
    Roubar rosas nunca foi um pecado tão grande, né?kkkk
    Lembrei da Bela de A Bela e a FEra...
    Os contos da Clarice falam de coisas comuns e ao mesmo tempo, nos faz avaliar o caráter, excepdional.
    Bom feriado!
    “Compreender que há outros pontos de vista é o início da sabedoria.” (Campbell)
    cheirinhos
    Rudy
    http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/
    TOP COMENTARISTA ABRIL especial de aniversário, serão 6 ganhadores, não fique de fora!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Rudy

      Clarice é como os russos, de coisas simples se faz coisas abissais.

      Hug :D

      Excluir
  4. Oi Márcia, nossa isso de roubar rosas me lembrou tanto A Bela e a Fera :O! Esse conto também lembrou o interior, com aquelas árvores na rua onde passávamos e puxávamos flores da calçada kk. Beijinhos

    ResponderExcluir
:) :( ;) :D :-/ :P :-O X( :7 B-) :-S :(( :)) :| :-B ~X( L-) (:| =D7 @-) :-w 7:P \m/ :-q :-bd

Vai ser muito bom saber o que você achou dessa postagem!
Opine!