08 outubro, 2014

Resenha: Primavera Eterna

É o primeiro amor que nos move por toda a vida?





Queridões,

Esse livro é rápido de ler e mais me pareceu uma crônica do que um livro padrão. Nada errado com isso, ok?

Em Primavera Eterna, Paula Abreu nos abre o mundo de Maia cuja vida era toda certinha (namoro, trabalho, etc.); o único problema é que, quando ela pega-se insatisfeita com sua vida mais ou menos e começa a pensar em como seria sua vida futuramente, ela se vê casada com filhinhas loiras.
É aí que se dá conta: seu namorado não é loiro. Loiro é Diogo, sua primeira paixão.

Apaixonar-se à primeira vista deixa marquinhas no coração (quem nunca? - eu já!) e como ela crê que o namoro não deslanchou porque ele mudou-se com sua família para New York, ela decide-se jogar numa aventura em busca do seu primeiro amor para ver o que acontece depois de um encontro.

Uma mentirinha aqui, outra ali e lá está Maia, a caminho de New York, depois de já ter acertado um encontro com Diogo ao telefone.

E aí? Como será o encontro? Continuarão apaixonados? Casarão e terão as filhinhas da "premonição" que impulsionou Maia na aventura?

Só lendo o livro, né?

Leitura rápida, gostosa, descompromissada. O livro não me arrebatou, mas preencheu bem  minhas horinhas "relax"... ;)

Deixo vocês com um trechinho que descreve parte das sensações de Maia, naquele momento da sua vidinha certinha... rs

O namoro com Pedro já durava mais de uma no quando, um dia, sozinha em casa, deitada na cama e olhando para o teto, fiquei forçando a imaginação, tentando visualizar nosso casamento, nossa casa, nossos filhos, da mesma forma que eu tentava imaginar com todos os outros. Foi quando aconteceu. Vi duas crianças loirinhas correndo, felizes da vida. Então me dei conta de que aqueles não eram meus filhos com Pedro. (p.56)
A primeira palavra foi não. E não como em "Não posso". Simplesmente "Não!". Mas não havia mais como eu me enganar . Eu era um sistema de erros: um emprego estável pelo qual eu não era apaixonada, um namorado estável pelo qual eu não era apaixonada, uma vidinha estável pela qual eu não era apaixonada. O amor que eu acreditara morto havia tantos anos, ah, o danado tinha recebido adubo do tempo. O maldito adubo do tempo. E estava lá. Uma ferida que não tinha sarado. Um remorso que, no fundo, era saudade de mim mesma, de tudo o que eu não tinha sido." (p.57)

Beijos, bonitões e bonitonas.

PS.: Fiquei encantada com a capa desenhada! ;)



11 comentários:

  1. Telma, o que mais me chamou atenção foi a capa. Capa mais linda! Amei cada detalhe a editora fez muito bem.
    Parece uma leitura leve e divertida!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu adorei a capa também, Cinthia.
      Esse diferencial retrô... na época em que, quando eu estava no ginásio, as capas dos livros eram desenhadas. ;)

      Excluir
  2. Acho que o amor que nos move é sempre o último, ou eu que sou diferente ? rsrsrs

    ⋙ Um beijo, te espero no blog
    blog Livros com café

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu acho que diversos, ao longo da vida, marcam de uma maneira diferente. Para algumas pessoas o primeiro é importantíssimo.
      Eu me recordo com carinho da minha primeira paixão... mas não iria até outro local por ela.
      :p

      Excluir
  3. Ahmm não gostei... Tipo, a pessoa larga tudo pq quando tava viajando na maionese simplesmente pensou que teria filhos loirinhos? Daí desencava seus "amores do passado" e lembra de um que era loiro e decide que esse é o futuro pais dos filhos? Foi isso que entendi. Nonsense até a última letra, não faz o meu tipo ^^"

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. oi Prí!
      Minha história com meu marido (que é alemão) é uma super viajada na maionese... sempre fui muito impulsiva, então... entendo a garota....
      Mas.... vc entendeu certinho... o "nonsense" tá ali mesmo, bem presente.
      Montes de beijos
      ;)

      Excluir
  4. Ahh a capa é super convidativa para uma leitura doce.
    P.s.: Estava beeem sumida, mas voltei.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Saudadona de você, Larissa!
      Montes de beijos

      Excluir
  5. Telma!
    Gosto de ler esse tipo de leitura que nos reporta a acontecimentos do passado e nos fazem questionar como seria se nosso primeiro amor fizesse parte da nossa vida hoje?!...
    Leitura tranquila, sem tanto compromisso e de fácil entendimento, bom prá relaxar, né?
    Desejo um final de semana carregadinho de luz e paz!!!
    Cheirinhos
    Rudy
    http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  6. Parece ser um romance bem interessante, achei a capa linda. *-*

    ResponderExcluir
  7. Não sei se a história me agradou muito é fato que essa capa ficou sensacional! Vou indicar pra uma colega :)

    ResponderExcluir
:) :( ;) :D :-/ :P :-O X( :7 B-) :-S :(( :)) :| :-B ~X( L-) (:| =D7 @-) :-w 7:P \m/ :-q :-bd

Vai ser muito bom saber o que você achou dessa postagem!
Opine!