14 outubro, 2017

O Corpo




Xavier era uma homem truculento… - assim inicia o texto de Clarice.


Um homem que amava tango e que um dia resolveu ir ao cinema para ver ao filme “Um último tango em Paris”, que o deixou muito excitado e por não entender o enredo do filme, pensou que fosse algo puramente sexual e não sobre o desespero de um homem.



Xavier era bígamo, vivia com duas mulheres, eram elas Beatriz e Carmen. 

Se Xavier vivesse em nossos dias, seguramente inventaríamos alguma síndrome sexual para cataloga-lo. Ou talvez fosse mesmo necessário para entendermos um apetite sexual tão voraz.



Viviam bem os três amantes, as mulheres não tinham ciúmes uma da outra, na verdade até se relacionava entre elas sexualmente na ausência de Xavier, fato que o fez ficar ainda mais excitado.



Às vezes as duas se deitavam na cama. Longo era o dia. E, apesar de não serem homossexuais, se excitavam uma à outra e faziam amor. Amor triste.Um dia contaram esse fato a Xavier.Xavier vibrou. E quis que nessa noite as duas se amassem na frente dele. Mas, assim encomendado, terminou tudo em nada. As duas choraram e Xavier encolerizou-se danadamente



O problema foi quando Xavier decidiu acrescentar sem o consentimento de suas mulheres, um terceiro elemento, uma prostituta.




Um dia Xavier só chegou de noite bem tarde: as duas desesperadas. Mal sabiam que ele estava com a sua prostituta. Os três na verdade eram quatro, como os três mosqueteiros




Não preciso dizer que esta história termina mal para um dos amantes.



Este conto me surpreendeu por ter muitos elementos diversos em sua narrativa. Temos uma novela, um pouco de humor e crítica a algumas instituições e o sinistro de Allan Poe, tem seu lugar neste pequeno conto.



Leiam e me digam o que acharam deste conto.






Clarice Lispector - Todos os Contos
       Editora Rocco - Capa Dura - 656 Pgs
        Organizado por Benjamin Moser





Marcia Cogitare




Nenhum comentário:

Postar um comentário

Vai ser muito bom saber o que você achou dessa postagem!
Opine!