08 outubro, 2015

Resenha: O Vampiro Imperador





Drucila é uma linda jovem romana, casada com o médico do imperador Nero. Diante da ausência do filho, ela entrega-se a um culto proibido de fertilidade, ato que inicia sua ruína e tem relação com sua transformação em vampira. Ciente de seu poder, ela resolve dominar Roma e não mede esforços para consegui-lo. As intenções de Drucila só poderiam ser ameaçadas por Dotan, um ser imortal como ela. Em noites de lua cheia, esse general de confiança de Nero prende a si mesmo a fi m de evitar que o lobisomem, criatura que se tornou há milhares de anos, domine-o. No entanto, quando Dotan se vê diante de uma Roma guiada por energias maléficas, ele engendra sua força para tentar salvar o povo da perseguição e da tirania. O derramamento de sangue se torna um pesadelo constante. A cidade caminha, a passos rápidos, para um longo período de escuridão. Traições, jogos de poder e lutas épicas enredam essa engenhosa aventura que põe em conflito a busca pelo bem e o desejo, às vezes incontrolável, pelo poder e pela luxúria.



Uma saga trivial de vampiros e lobisomens?

Respondo com toda firmeza: NÃO!

Leonardo Barros, que eu já conhecia da leitura de Presságio, O Assassinato da Freira Nua, quando me caracterizei de um dos personagens. Lembra? 


Caso não se lembre, vale a pena dar uma conferida, tanto na resenha, quanto no livro! (é só clicar na imagem).

Fora isso, comprei há algum tempo "O Maníaco do Circo", também do autor mas, com a pilha de livros na fila de espera, ainda não consegui ter o prazer de lê-lo.

Conhecendo o autor, como já mencionei, eu tinha certeza de que a leitura seria boa e foi ótimo não ter me decepcionado.

O livro é cheio de analogias, bem intricado, dizer "bem escrito" é redundância, com uma trama que prende, seduz, do principío ao fim... ah! o fim! O final é uma delícia!

Lembram de Sodoma, da Bíblia? A cidade que foi destruída juntamente com Gomorra? Pois é, nossa história se passa no ano 3000 AC, nesta cidade. A construção do ambiente foi muito boa. Acho bem difícil ser convincente ao escrever de tempos tão antigos (como eram os trabalhos, as falas, enfim...) Leonardo consegue tudo isso, utilizando-se muito bem da fantasia mesclada à História.


- Todos nós acreditamos em Yahweh, Vered, mas dizer às pessoas que O vê e que fala com Ele já é demais. Acho que meu tio Ló é vítima dos males da idade. Você sabe que muitos homens perdem a memória e a razão depois de velhos, não sabe?

As palavras acima são de Dotan. Nesta época e em uma festa ele que foi transformado em lobo. É bacana ver o link que o autor fez com a destruição de Somoda descrita na Bíblia e a história de "O Vampiro Imperador". A História permeia todo o livro, mesclada à ficção. Essa construção é deliciosa de ver. 

Em contrapartida conhecemos Drucila, casada com Emilianus, cujo maior sonho era ser mãe. Ansiosa pela materninada, ela chegou a extremos ao submeteu-se a um ritual que prometia fertilidade, onde foi transformada em vampira. Nessa ânsia, que ao meu ver é sagrada (a maternidade), a belíssima Drucila meteu-se em muitos problemas. Sua vida vai do Céu ao Inferno e acompanhamos sua transformação em vampira vingativa. A mudança que ocorre é gradativa. A troca de objetivos e sonhos também. Ainda tenha se tornado o que se tornou, me apeguei a Drucila e cheguei a torcer por ela. (muita gente vai atirar pedras em mim, eu sei).

... nesse ínterim, sua vida mescla-se por tortuosos caminhos, à de Dotan, que em 63 DC (no segundo capítulo), era um dos generais do Imperador Nero:


Dotan andava apressado pela rua e, ao se lembrar de Drucila pensou: Ela, uma bruxa desgraçada! O imperador, um imbecil que se deixa dominar por uma mulher.

Era fato: Drucila caíra nas graças de Nero, mas Dotan não se deixava enganar facilmente. Ao contrário, ele estava decidido a exterminar todos os vampiros da face da Terra.

Eu amei Dotan, mas me peguei torcendo, hora por ele, hora por Drucila ("eu prefiro ser essa metamorfose ambulante, do que aquela aquela velha opinião formada sobre tudo" - Raul Seixas me representa.)

Li o livro muito mais rápido do que o comum porque queria saber mais. Queria saber o final. Queria ver o poder das duas espécies e torcia hora por uma, hora por outra. (bela tacada, Leonardo Barros!)

Não citei todos os personagens. Hani-Baal é uma figura que aparece em Sodoma (AC) e diz a Dotan:
- Enquanto conversamos, sua carne apodrece... A vida de um mortal é feita de desprazeres, de obrigações. E, quando você perceber que é tempo de aproveitar, seus ossos e suas carnes vão doer tanto que tudo o que você vai querer é tomar uma taça de vinho e dormir.

Também há Luna.... o amor de Dotan. Pobre Dotan....*sorriso*

A intriga, a sensualidade, o complô, muito sangue, e uma luxúria desenfreada são os pontos altos dessa trama que vale muito a pena.

Leonardo Barros é um escritor que é como o vinho: melhora com o tempo!


Me, myself and O Vampiro Imperador









Adquira o seu exemplar:


SARAIVA (Em promoção, corre lá!)

SUBMARINO (Também em promoção)

AMAZON




Ano: 2015 / Páginas: 400
Idioma: português 
Editora: Novo Século


PS.: Possíveis erros gramaticais ou ortográficos serão corrigidos com minha releitura dessa resenha.

14 comentários:

  1. Oi Telma! Lembro-me quando a Novo Conceito lançou esse livro e já aguardava para ler alguma resenha. Antes de tudo preciso dizer que não sou fã de livros onde possuem vampiros. Simplesmente não consigo me adaptar com eles, mas pelo que li em sua resenha, O Vampiro Imperador é uma história que vale a pena ser conferida, por seus personagens bem construidos e uma narrativa simples e intrigante. Ainda não sei se leria por agora, porém se um dia eu quiser fugir de minha zona de conforto, já sei por onde começar ;)
    Bjs!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Se quiser fugir da sua zona de conforto, esse realmente é uma excelente pedida, Alessandra!
      muitos beijos
      :)

      Excluir
  2. Ótima resenha, Telma!
    Fico feliz que tenha gostado!
    Obrigado pela divulgação!
    Super beijo! =)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Livro maravilhoso, Leonardo!
      Sou sua fã!
      beijocas

      Excluir
  3. Oiiê
    eu estou lendo esse livro, achei o começo um pouco confuso, mas esta fluindo muito bom. Achei a escrita dele bem mais elaborada do que a do outro livro que li dele!!
    Bjks

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim.... o começo gera certa confusão por se passar com milênios de diferença... mas assim que você se situar, vai amar!
      Beijocas

      Excluir
  4. Telma, não sabia que esse livro se passava na cidade de Sodoma, fiquei muito curiosa pela forma que ele construiu a cidade. Sodoma e Gomorra sempre foram cidades que gostei de estudar sobre, como outras também. Então, acho muito perspicaz do autor colocar tipos, vampiros e lobos nesse ambiente, algo que nunca pensei. Amei a dica de leitura. Obrigada.

    ResponderExcluir
  5. Gosto muito de livros que tenha seres sobrenaturais. Os autores devem ter muita imaginação para criar esse universo novo e fico babando!
    Drucila aparentou ser uma personagem muito interessante. Os acontecimentos que ela teve que passar são interessantes em si, né? como eu nunca vi ninguém passar por isso, tenho certeza que eu ficaria bem atenta para saber e entender tudo.
    Contudo, gostei muito do livro e assim que eu tiver oportunidade de ler, irei ler! (:
    Ah! Inclusive, adorei a sua caracterização de freira!!

    Beijos

    ResponderExcluir
  6. Telma, quem me conhece sabe que não sou apaixonado por livros de vampiros, mas uma leitura do tipo, quase, sempre agrada. O Vampiro Imperador, por exemplo, foi de extremo agrado para mim, pois a história não mostra um vampiro encantado por uma bela moça, como em Crepúsculo, mas, sim, a história real de um vampiro, determinado e sangrento. Gostei bastante!

    ResponderExcluir
  7. Telma fico muito feliz quando ouço boas coisas sobre escritores nacionais.

    Mesmo tento um tema tão "batido" o cara tem que ser bom para poder surpreender o leitor e conforme a tua resenha ele consegue chegar lá.

    Mais uma resenha bacanuda

    Hug D:

    ResponderExcluir
  8. OI! Gosto muito de livros sobre vampiros e com aquela pegada mais "forte", também gosto muito de livros de época, mas... Peraí, é uma história antes de Cristo, de muito tempo atrás. É muito difícil um autor saber retratar perfeitamente séculos passados, há uma dificuldade imensa para inserir e envolver o leitor com o cenário imagine então quando se trata de milênios antes, ainda mais colocar o sobrenatural no meio!
    Gostaria muito de conferir essa leitura e me envolver com ela, nunca li livros que se tratassem dessa época e também citando essas duas cidades que foi destruída, sinto que é uma leitura de tirar o fôlego.

    ResponderExcluir
  9. Atualmente com esse tema levado a exaustão e sendo até descaracterizado do que geralmente é apresentado, fico feliz em saber que o autor conseguiu trazer de volta a personalidade dos lobos e vampiros, o embate entre as duas espécias, e ainda algo mais como o desespero e a transformação de Drucila, o cenário onde tudo se desenrola e principalmente a ação, sangue e tudo mais que embala essa trama, é um daqueles livros que terei que ler ainda mais depois dessa resenha!

    ResponderExcluir
  10. A história é bem interessante e chamou minha atenção! Adoro quanto tem vampiros e lobos brigando (menos Crepúsculo pf ne) e isso esta claro no livro!
    Adorei sua selfie!

    Www.cidadedosleitores.blogspot.com (TÁ ROLANDO SORTEIO)

    ResponderExcluir
  11. Olá, Telma, parabéns pela resenha! :D Ainda não tive a oportunidade de ler o livro, mas pretendo, sem dúvidas, depois de ler a sua resenha, confesso que criei mais interesse por essa leitura, então obrigada! ;)

    Não conhecia nenhum dos outros livros que você citou a cima, do mesmo autor, Leonardo Barros. Ao ver o livro apenas, pela primeira vez, imaginei que seria um infanto-juvenil, mas parece que me enganei, essa história é muito mais surpreendente e pode me surpreender muito mais do que esperava. :D

    Apesar de muita gente achar a guerra de vampiros contra lobisomens puro clichê, eu gosto muitooo, acho que só se torna clichê pela forma que os autores possam colocar na história, mas pelo visto esse não é o caso do livro do Leonardo Barros. ;)

    Mas a pergunta que não quer calar ao terminar de ler a resenha é, esse Hani-Baal do livro trás algum aspecto do Haniball de Thomas Harris? *-* Seria fantástico. \o/

    Abraços.
    Sucesso com o blog! ;*

    ResponderExcluir
:) :( ;) :D :-/ :P :-O X( :7 B-) :-S :(( :)) :| :-B ~X( L-) (:| =D7 @-) :-w 7:P \m/ :-q :-bd

Vai ser muito bom saber o que você achou dessa postagem!
Opine!