16 março, 2015

Resenha: A Morte de Sarai



Sarai era uma típica adolescente americana: tinha o sonho de terminar o ensino médio e conseguir uma bolsa em alguma universidade. Mas com apenas 14 anos foi levada pela mãe para viver no México, ao lado de Javier, um poderoso traficante de drogas e mulheres. Ele se apaixonou pela garota e, desde a morte da mãe dela, a mantém em cativeiro.
Apesar de não sofrer maus-tratos, Sarai convive com meninas que não têm a mesma sorte. Depois de nove anos trancada ali, no meio do deserto, ela praticamente esqueceu como é ter uma vida normal, mas nunca desistiu da ideia de escapar.
Victor é um assassino de aluguel que, como Sarai, conviveu com morte e violência desde novo: foi treinado para matar a sangue frio. Quando ele chega à fortaleza para negociar um serviço, a jovem o vê como sua única oportunidade de fugir. Mas Victor é diferente dos outros homens que Sarai conheceu; parece inútil tentar ameaçá-lo ou seduzi-lo.
Em A morte de Sarai, primeiro volume da série Na Companhia de Assassinos, quando as circunstâncias tomam um rumo inesperado, os dois são obrigados a questionar tudo em que pensavam acreditar. Dedicado a ajudar a garota a recuperar sua liberdade, Victor se descobre disposto a arriscar tudo para salvá-la. E Sarai não entende por que sua vontade de ser livre de repente dá lugar ao desejo de se prender àquele homem misterioso para sempre.

A autora do best-seller "Entre o Agora e o Nunca" traz uma história de paixão e sobrevivência...


Queridos surtadinhos,

A sinopse fala por si só.

O livro é tudo o que promete.

Num primeiro momento pensei que fosse só mais um romancezinho (eu gosto de tempos em tempos) e, como sou mulherzinha também, adoro, vez por outra, esbarrar com um ou dois príncipes encantados em livros de romance e suspirar (exato! sou esse tipo de mulherzinha)!

O livro é mais do que eu pensava, de início... não é um romance convencional e nem tem seu foco, no romance em si.

Me fez lembrar demais de "Nikita" (amei!), com versão refilmada e não tão boa, de nome "A Assassina", protagonizado por Bridget Fonda (cadê ela? sumiu!).

Quem viu esse filme sabe que o romance ali  é velado e fica em segundo plano por causa da crueza dos assassinatos. No livro é a mesma coisa (amei!) ... não há mocinha virgem. Aqui, a mocinha foi vendida como escrava a um traficante de drogas e abusada sexualmente por anos... até que encontra uma oportunidade de fuga.

Essa oportunidade se concretiza mas, o que é pior: Ser mantida em razoável segurança (ela era a favoritinha do chefão do tráfico) ou tornar-se refém de um assassino profissional, tão ou ainda mais perigoso do que Javier (o traficante)?

Sarai é uma sobrevivente em todos os sentidos. É uma sobrevivente psicologicamente falando, também... mas traz as marcas de toda a podridão que viu desde a adolescência.

O livro é escrito em primeira pessoa... Sarai, e por vezes Victor (o assassino) assume a primeira pessoa e dita o livro.

Bem escrito, em linguagem coloquial, sem exageros (na medida mesmo) o livro é uma constante em se tratando de aventura, suspense e agilidade. 

Bem alinhavado, rápido e sem muitas descrições (nada prolixo). Vai direto ao ponto. Por vezes previsível e em outras nem tanto, mas... sem dúvida, uma leitura agradável para quem quer um livro fácil de ler e que não seja cansativo.

Eu fiquei torcendo pra Sarai seduzir Victor... (adoro uma "seduzência!)

Eu fiquei querendo demais saber porque o título é "A Morte de Sarai". Eu não queria que ela morresse *biquinho de choro*. (não queria mesmo!!!!)

Não estou dizendo que ela morre e nem que não morre... só estou dizendo que, a partir do título e da afeição que fui tendo por ela (tive dó dela),  não queria que, depois de tanto perrengue, a bichinha (em bom nordestinês - a mocinha)  morresse.

A leitura vale a pena. Esse livro é o primeiro de uma série de cinco livros.

O final não fica em aberto. É conclusivo.

E aí?

Quer ler um trechinho? A Suma deixa! (adoro isso!) Clique abaixo e veja o primeiro capítulo!

Posso pedir algo? Me conta o que achou quando tiver lido seu exemplar, ok?

beijos muitos.

No final, você só pode confiar em si mesma. Eu não sou seu herói. Não sou sua alma gêmea que jamais deixará que algo de ruim lhe aconteça. Sempre confie em seus instintos primeiro e em mim por último.
  • - Então como você vai entrar?
  • - Vamos entrar como convidados - respondo - Hamburg tem uma fraqueza, como todos os homens e você e eu vamos usá-la em nosso favor.
  • Agora ela parece um pouco nervosa.
  • - Qual é a fraqueza dele?
  • - Sexo, é claro!





21 comentários:

  1. Ixi, que livro tenso Telma.

    Não tem como fugir e nem seduzir, lascou-se.

    Amei tua resenha, sempre divertida e emocionante.

    Hug

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Considero esse livro, não uma sessão da tarde... mas um Corujão, sabe? Distrai, é gostosinho e sem compromisso com a profundidade.
      de vez em quando preciso muito de algo assim.
      :D

      Excluir
  2. Uma situação difícil dessa personagem, mas bem atual, ocorre com mais frequência do que se imagina ou alguém pense a respeito. Só desanimo por ser série, mas vou acompanhar pelas resenhas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Cintia,
      também me desanimam séries... mas essa, pra quem osta do gênero, parece valer a pena.
      Vamos ver.
      te conto as cenas do próximo capítulo.
      beijos

      Excluir
  3. Caraaaaaaaca!! O livro já começa começando meeesmo!!
    Adorei o primeiro capítulo. Forte. Objetivo!
    Realmente parece ser um livro sem descrições prolixas... Gente, amei!!!

    Adorei a resenha, friend. E eu também adoro uma "seduzência".
    Já quero saber o que rola entre Victor e Sarai. E se a Lydia é liberta!

    Beijos. Obrigado por essa indicação!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nós somos os resilientes da "seduzência"....rs
      Creio mesmo que esse você vá amar, friend gostoso. :D
      beijos

      Excluir
  4. Telma!
    Sarai passa por poucas e boas, hein? Me parece que o crescimento, mesmo a duras penas, foi enorme para ela...
    Talvez o título seja pelo fato de ser uma série e se ela não morreu agora, talvez morra mais para frente porque se envolver com um assassino profissional não é fácil.

    eita Telma! Amo também 'coisas de mulherzinha' daquelas bem água com açúcar e tudo que envolve a sedução...kkkk Sincronismo nosso, né?

    cheirinhos
    Rudy

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Rudy,
      Eu sinto nosso sincronismo há tempos!...rs... e adoro ter você por perto.
      Muitos beijos.

      Excluir
  5. Gente, e eu aqui achando que o livro era um livro de terror e fantasia. Muito por causa da capa. Sim a capa sempre me deu essa impressão e nunca antes havia lido nadica de nada sobre o livro. imagino que a tensão deva ser intensa por ser um livro com violência e tals.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Exato, Kleber.
      Nada de terror ou fantasia.
      É vida de tráfico humano e assassinatos (dentre outras coisas).
      beijocas

      Excluir
  6. Eu quero muitooo ler ele!!!
    Assim como vc, qndo li as primeiras resenhas, fiquei com dó da Sarai, porque pensei que sua morte fosse certa. Mas parece que não, não sei... kkkk mas não gosto de finais trágicos (para os mocinhos, é claro! kk), entretanto, esse me chamou muita a atenção.
    A história tão cruel e realística sabe... a curiosidade e a vontade de que a Sarai consiga seu final feliz e que justiça seja feita (pelo menos, nos livros) contra esses traficantes tão cruéis e desumanos.
    Quero muito ler e espero que o final seja justo!
    beijos,
    Ana
    elvisgatao.blogspot.com

    ResponderExcluir
  7. Estou chocada e intrigada com a história. A garota deve ter sofrido o cão com o cara, Não sei se sobreviveria ao que ela passou. Com certeza vou ler. Pois quero saber como isso termina. Muito curiosa a respeito de Sarai.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  8. se eu já estava louca pra ler só pela sinopse, agora então... excelente resenha!

    ResponderExcluir
  9. eu adorei a escrita da J. A. Redmerski quando li Entre o Agora e o Nunca. Fiquei super curiosa com esse livro.
    E agora, ela morre ou não morre? Ou o título fala de uma morte não física, sentimental talvez? rs. Eu querendo tirar minhas conclusões sem nem ler o livro.
    Adoro esse tipo de mocinha também, sem esse mimimi todo, apesar de parecer que ela até poderia se fazer de coitadinha mas não faz.
    Espero poder ler em breve esse livro.

    bjs.

    ResponderExcluir
  10. oi, adorei a resenha, quero muito ler esse livro. Acabei de compra-lo agora só falta chegar. Mas haja paciência pra esperar, ainda mais depois dessa resenha.

    ResponderExcluir
  11. Livro interessante, pela resenha percebe-se a aflição constante de quem vai ler.. vou colocar na minha lista de leitura...

    ResponderExcluir
  12. Eu já estava interessada neste livro, mas depois desta resenha, com certeza irei lê-lo! Adorei! :)

    ResponderExcluir
  13. Ótima resenha, terminei ontem de ler A morte de Sarai, o titulo deixa mesmo a gente em aflição, gostei muito e como vc disse é uma leitura rápida e emocionante, não sabia que eram 5 livros nossa! To lendo o segundo e estou gostando, to bem no comecinho. ;)

    ResponderExcluir
  14. A historia ta hilaria e esta capa ta perfeita , e amei a resenha também :)

    ResponderExcluir
  15. Esse livro muito me atrai
    ainda não tive oportunidade de ler
    mas pretendo assim que possível
    a premissa é boa e o fato do livro cumprir o que promete é ótimo

    ResponderExcluir
:) :( ;) :D :-/ :P :-O X( :7 B-) :-S :(( :)) :| :-B ~X( L-) (:| =D7 @-) :-w 7:P \m/ :-q :-bd

Vai ser muito bom saber o que você achou dessa postagem!
Opine!