14 novembro, 2015

Resenha: Cartas para Você




A história retrata a vida de Georgia Castro, uma menina mulher em seus vinte e dois anos que acabou de perder o pai. Inconformada com a morte de seu pai - e também melhor amigo, Georgia entra em depressão. Sua psicóloga aconselha-a a escrever para o seu pai ou manter um diário pois Georgia gosta muito de escrever. A partir daí, Georgia começa a escrever cartas para a Aceitação, pedindo para que ela bate à sua porta.  As cartas são uma espécie de diário e Georgia trata a Aceitação como sua confidente. Ela conta sobre a história de amor de seus pais, sobre a história de sua família, o falecimento de seu pai e as intrigas em família que decorreram do falecimento.  Além da questão familiar e do processo de luto, Georgia também desabafa sobre sua vida amorosa, pois o cara de quem gostava não quis mais ficar com ela após a morte de seu pai. Com mais essa perda, ela começa a lembrar do péssimo ex-namorado que marcou muito a vida dela e da sucessão de casos amorosos mal sucedidos depois dele.  Tentando seguir a vida, Georgia termina a faculdade de Economia e conta sobre a formatura, o primeiro emprego, suas saídas com os amigos e novos amores.  Basicamente, Cartas para você conta o processo de superação da morte de seu pai, sobre amadurecer e confiar em si mesma para tomar as decisões e acima de tudo, voltar a viver mesmo sentindo saudade.




Duda Razzera me fez chorar.... Georgia me fez chorar.

Li que esta é parte da história dela, recheada com sua criatividade, portanto, não é uma obra 100% ficção, assim como não é 100% autobiográfico.

No começo, fiquei tentando separar o que era sentimento real do que era ficção (eu e minha mente analítica) mas, esse processo durou pouco. Me envolvi tanto na história que acho que Duda misturou a história dela com a minha. Cheguei a conclusão de que é tudo real, inclusive o ficcional (porque o ficcional, esteja onde estiver é meu!


Antes de continuar, senti necessidade de rápida visão (para quem ainda não conhece), das fases do luto e nisso há a explicação para todas as cartas da Georgia (nossa personagem principal), terem sido escritas para a Aceitação


O luto/perda normalmente passa por 5 fases:

A negação- Surge a primeira fase do luto, é no momento que nos parece impossível a perda, em que não somos capazes de acreditar. A dor da perda seria tão grande, que não pode ser possível, não poderia ser real.

A raiva
– A raiva surge depois da negação. Mas mesmo assim, apesar da perda já consumada negamo-nos a acreditar. Pensamento de “ porque a mim?” surgem nesta fase, como também sentimentos de inveja e raiva. Nesta fase, qualquer palavra de conforto, parece-nos falsa, custando acreditar na sua veracidade

A negociação
- A negociação, surge quando o individuo começa a por a hipótese da perda, e perante isso tenta negociar, a maioria das vezes com Deus, para que esta não seja verdade. As negociações com Deus, são sempre sob forma de promessas ou sacrifícios.

A depressão
– A depressão surge quando o individuo toma consciência que a perda é inevitável e incontornável. Não há como escapar à perda, este sente o “espaço” vazio da pessoa (ou coisa) que perdeu. Toma consciência que nunca mais irá ver aquela pessoa (ou coisa), e com o desaparecimento dele, vão com ela todos os sonhos, projetos e todas as lembranças associadas a essa pessoa ganham um novo valor.

A aceitação
Última fase do luto. Esta fase é quando a pessoa aceita a perda com paz e serenidade, sem desespero nem negação. Nesta fase o espaço vazio deixado pela perda é preenchido. Esta fase depende muito da capacidade da pessoa mudar a perspetiva e preencher o vazio.


Parte do relato me pareceu o de tantos outros, que sentam na minha frente, numa sessão de terapia e falam de si. Temos tanto em comum! Duda traduziu bem isso em suas cartas à Aceitação (última fase do luto), que nunca chegava.




Outra parte, pareceu mais uma de minhas melhores amigas, articuladas, tentando colocar o que sente em palavras (arte difícil) e o resultado foram lágrimas mútuas.

Uma terceira parte, era a srta. Razzera traduzindo meus pensamentos. Falando por mim. Sendo minha terapeuta. Chorei ao relembrar a morte do meu irmão e o pedaço de mim que foi com ele (e não tem volta). Sorri ao perceber que, nada foi tirado de mim. Ele está aqui comigo mas, a ausência física sempre vai doer. Só aprendemos, cada um a sua maneira, a lidar com ela.




Gargalhei quando ela deu nome de Valdemort ao namorado (vontade de socar Valdemor). Pra quem não sabe, Vademort é o nom do principal vilão de Harry Porter e vi a ironia de tentar passar pelas etapas do luto, como se elas não tivessem muitas sub etapas (Duda fala disso muito bem, de maneira naturalíssima e tão real, que mais uma vez ela falava de nós duas). 



Dizer mais é falar do que já está na sinopse... então resolvi deixar esses  trechos do livro para você sentir a escrita de Duda, que vem recheada de sensibilidade, inteligência e "dark humor". 

Olha um exemplo do senso de humor delicioso da srta. Razzera, mesmo em meio a tantas dificuldades:



Quando fechei o livro, senti vontade de abraçar a Duda. De acalentar a Georgia e de dizer que estou com ambas... e talvez ambas estejam em mim.



Se você está ou não em situação parecida, esse livro é 100% indicado! A leveza e profundidade (paradoxal) com que é escrito me faz endossar muitas vezes minha recomendação. Leia, identifique-se e saiba como ajudar-se e a outros.




PS.: Possíveis erros gramaticais ou ortográficos serão corrigidos em minha releitura





Duda Razzera:


                                               Blog: CLIQUE AQUI
                                       Biografia: CLIQUE AQUI

19 comentários:

  1. Gente que livro é esse.

    Sou gamada em livros com essa pegada psicológica cheia de dramas e perdas que trazem lições através da superação e do humor refinado dos personagens.

    Ler livros assim nos mostra que todos sofremos por perdas e feridas que podem ser fisícas ou emocionais, mas todos podemos superar e ser exemplos para outros.

    Vou atrás desse livro pois chorar e me alegrar com os personagens.

    Beijos!
    Joanice Oliveira
    poesiaqueencantavida.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Joanice,
      Vá porque realmente vale a pena!
      Duda escreve muito bem e com mutia sinceridade (além de sensibilidade)
      beijos
      :)

      Excluir
  2. Parace ser realmente uma ótima história daquelas em que você acaba se apegando aos personagens

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É verdade, Tiago!
      O livro é ótimo e Georgia está em meu coração!
      beijos

      Excluir
  3. Oi, Telma!

    Puxa, não conhecia o livro e parece ser bem interessante!
    Apesar de não gostar da capa - achei muito pobre -, o jeito como você resenhou me fez gostar do livro.

    Parabéns pela resenha! ;)

    Beijos!
    http://www.irmaoslivreiros.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Daniel....
      Essa é uma das capas que cria todo um efeito/conceito depois de lido.... mas concordo com você que num primeiro momento ela não chama atenção demais.
      Já o conteúdo!!!! Ah! Intenso.
      beijo, seu lindo
      :)

      Excluir
  4. Sua resenha está muito boa, o livro parece ser muito bom e a história mais ainda, adorei conhecer um pouco mais sobre a história, pretendo ler Cartas Para Você em breve.

    ResponderExcluir
  5. Legal este livro, prova que a escrita pode salvar uma pessoa.
    Telma e seus livros sensíveis rs
    Hug

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Esse livro é uma delícia, Marcinha!
      beijocas

      Excluir
  6. Me identifiquei... me identifiquei muuuito, afinal já sofri uma perda né..
    Mas percebi que não me identifiquei só com a perda do pai dela, me identifiquei muito com a parte em que ela diz que "as pessoas tratam você do jeito que você deixa que elas te tratem... Deixei ele me tratar de forma como se eu não fosse quase nada quando na verdade eu sou muito mais do que ele merecia" (e confessar isso me dói muito :(( )

    quero esse livro pra mim :-/

    ResponderExcluir
  7. Que lindo... Acredito que só quem perdeu alguém amado consegue entender realmente a delicadeza, as sutilezas e as fases, é... as malditas fases. Adorei os quotes que você destacou, Telma. Admito que fica até difícil escrever um comentário após lê-los, agora imagina o livro!!! Bem, certamente este entrou para a fila dos "preciso ter"! Beijos, K.

    ResponderExcluir
  8. Oie, gostei da resenha! Parece um livro otimo, com personagens otimos! E esses quotes magnificos!

    www.cidadedosleitores.blogspot.com

    ResponderExcluir
  9. É a segunda resenha que vejo desse livro e ambas falam muito bem do livro ,da escrita ,e do jeito que o tema foi tratado .
    Confesso não ser muito fã do gênero ,mas gostei bastante ,espero ler em breve .Aliás ,amo essa capa .

    ResponderExcluir
  10. Oi Telma!
    Já vi a capa deste livro várias vezes, mas nunca tinha parado para conferir uma resenha. Gostei muito de ler sua opinião, o livro parece ser no mesmo estilo de Carta de Amor aos Mortos, e deve ser realmente tocante para quem já passou ou está passando pelo mesmo que a protagonista. Gostei de saber que, apesar de cutucar esta ferida, trouxe ensinamentos e lições que ajudam a superar a dor. Mesmo eu não estando em um momento que se encaixe, fiquei com vontade de ler, pois parece ser uma obra que emociona a todos. Vai para a lista. >33<
    beijos ♥
    nuclear--story.blogspot.com

    ResponderExcluir
  11. Oi!
    Ainda não conhecia essa livro mas a historia me conquistou parece o tipo do livro que nos emociona e que no final sentimos que algo nos foi mudado, quero muito ler e fiquei curiosa para saber como a Georgia vai tratar e passar pelas as 5 fases do luto!!

    ResponderExcluir
  12. Oi Telma Fiquei curiosa para ler esse livro Mas sinto que vou chorar horrores ...bjo

    ResponderExcluir
:) :( ;) :D :-/ :P :-O X( :7 B-) :-S :(( :)) :| :-B ~X( L-) (:| =D7 @-) :-w 7:P \m/ :-q :-bd

Vai ser muito bom saber o que você achou dessa postagem!
Opine!