08 janeiro, 2015

Ajude-nos a entrevistar!


Queridos
,

Como nos é de costume, queremos fazer uma entrevista em conjunto com vocês.


O entrevistado da vez é Sandro Dezan, mestre em Direito Constitucional e, atua no campo da leitura técnica, na área de Direito.
Por favor, cliquem na imagem e leiam a breve bio dele, vejam seus livros e me ajudem a fazer perguntas que serão respondidas por ele por vídeo.

Se você faz Direito ou tem algum amigo que faz/fez essa Literatura é de suma importância.

Se você não é diretamente da área, mas quer conhecimento Constitucional, aqui está a fonte.


Fico no aguardo das suas perguntas e agradeço com um beijo estalado.

Telma 



Sandro Dezan, nasceu na cidade de Vitória, no Estado do Espírito Santo, Brasil, em 1970, onde se bacharelou em Geografia, no ano de 1995, e em Direito, no ano de 2000. Foi aprovado no exame da Ordem dos Advogados do Brasil – OAB no ano de 2001, exercendo a advocacia de 2001 a 2002.
Ingressou no serviço público federal em 1994, atuando no cargo de Policial Rodoviário Federal, ocupando, dentre várias importantes funções, as de Assessor Jurídico e a de Corregedor Regional no Estado do Espírito Santo.
Em 2001 foi aprovado para o cargo de Analista Processual do Ministério Público Federal e em 2002 ingressou no cargo de Delegado de Polícia Federal, em que atuou nas funções de chefe de delegacias, de setores, de núcleos, assim como nas funções de Corregedor Regional e de Chefe da Divisão de Planejamento e Projetos. Atualmente é Coordenador da Escola Superior de Polícia do Departamento de Polícia Federal.
Na Academia Nacional de Polícia (Polícia Federal do Brasil) é Membro do Corpo Editorial das Revistas “Segurança Pública & Cidadania” e “Revista Brasileira de Ciências Policiais” e Professor nos Cursos de Formação Profissional para ingresso no cargo de Delegado de Polícia Federal e nos cargos de Agente de Polícia Federal, de Escrivão de Polícia Federal e de Papiloscopista Policial Federal, desde o ano de 2007, e no Programa de Pós-graduação lato sensu da Escola Superior de Polícia da Academia Nacional de Polícia, em que ministra a Disciplina Direitos Humanos e Fundamentais, para os Cursos de Investigação Criminal, de Inteligência Policial e de Documentoscopia, desde o ano de 2008.
Atua também como Professor Visitante em diversas Instituições de Ensino Superior,  publicas e privadas.
Concluiu Mestrado em Direitos e Garantias constitucionais Fundamentais (Direito constitucional), no ano de 2007, na Faculdade de Direito de Vitória - FDV, obtendo aprovação com nota máxima, distinção, louvor e indicação da dissertação para publicação. Fruto do Mestrado, publicou o Livro “Ilícito Administrativo Disciplinar: da atipicidade ao devido processo legal substantivo”, em 2009, pela Editora Juruá e mais seis outros livros na área do Direito Administrativo Sancionador Disciplinar.
 Currículo Lattes completo disponível na internet: http://lattes.cnpq.br/9461707454019533
fonte da apresentação: http://www.iscpsi.pt

Obras:

Clique na imagem e conheça mais de cada livro.


11 comentários:

  1. Meu caro amigo, como advogado, já teve alguma decisão tomada pelo juiz que o senhor considerou injusta, não só para um cliente seu, mas para qualquer caso? Se puder nos citar um exemplo, qual medida o senhor tomaria se o martelo estivesse em suas mãos?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Boa pergunta, Balta.
      fiquei curiosa também.
      :)

      Excluir
  2. 1 – Como operador do Direito, o que pensa sobre a pena de morte? Essa visão, de operador do direito é a mesma visão que tem como professor na formação de Policiais?

    2- A Constituição Federal de 1988 é considerada uma Constituição Cidadã na medida em que traz em seu texto legal uma série de direitos e garantias ao povo brasileiro, só que na prática, todos sabemos que esses direitos acabam não se efetivando. Como o autor vê esse problema de efetivação das normas gerais e abstratas em normas concretas, de modo ao cidadão efetivamente usufruir de seus direitos e garantias constitucionais?

    3 – A respeito do tema segurança pública, considerando os altos índices de criminalidade que assolam todas as cidades de nosso Brasil, quais soluções entende sustentáveis para uma melhora nesse quadro?

    4 – Enquanto escritor de livros técnicos, o Sr. tem pretensões de um dia publicar algo mais voltado a literatura?

    5 – Quando escreve livros técnicos, o Sr. possui alguma influencia literária, ou entende que não é possível misturar literatura com ciência?
    6 - Quais seus autores preferidos e qual o livro que indicaria para os leitores desse blog?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. WOW!
      Adorei as perguntas Matheus!
      Obrigada pela participação. :)

      Excluir
  3. Seu livro, Movimentos Sociais e Protestos Públicos - A Liberdade de Manifestação e a Regulação Estatal à Luz do Direito Constitucional e do Direito Internacional dos Direitos Humanos, trata de um tema principal bastante atual devido as manifestações ocorridas e que tem ocorrido no País. Serve como conscientizador e também orientador?
    O que te levou a escrever esse livro (a razão é clara e concisa, mas quero saber o que queria alcançar através dele.)? Gostaria saber sua visão frente ao Estado e a repressão, o uso da coerção policial e a banalização do movimento pelo vandalismo de alguns. Quero sua visão como Policial Federal e também como Operador do Direito. Obrigada.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Cínthia,
      Não sou da área de Direito como você mas, fiquei interessada na resposta.
      Beijos, coisa linda.
      :D

      Excluir
  4. Todos os seus livros são indicados para atuantes da área de Direito ou há outras indicações?
    Caso haja, pode nos dizer qual o livro e porque serve pra outros leitores que não os da área?
    Abração :)

    ResponderExcluir
  5. Sempre ouvi, que nos países mais civilizados, existem poucas leis.

    O senhor acredita que se faz necessário uma reforma nas leis brasileiras?

    Temos nos "civilizado mais" em alguma área do direito, onde as leis não fazem mais sentido?

    Obrigada

    ResponderExcluir
  6. Sempre me recordo da frase: "nem tudo o que é legal é moral". Como um jovem estudante cristão, que se entende com uma moral definida (valorizando a questão de não "mentir") pode estudar Direito e ainda assim manter sua convicção? Existe alguma área do direito onde seja mais fácil atuar para alguém com esse perfil? Observo aqui que a questão do "sofisma" é entendida pelos advogados (que conheço e já vi atuar) como estratégia e não imoralidade. Parece-me impossível defender alguém sem lançar mão dessas estratégias pela própria forma como a lei foi escrita e todas as suas imperfeições. Estou muito pessimista?

    ResponderExcluir
  7. As cadeias no Brasil se encontram superlotadas. O senhor consegue pensar em alguma lei que possa melhorar essa situação? Qual lei deveria ser anulada? Qual deveria ser criada?

    Em sua opinião, qual a lei mais sem cabimento que existe no Brasil?

    como você se vê daqui ha 10 anos?

    ResponderExcluir
  8. TÓPICO E N C E R R A D O !

    As perguntas abaixo desse comentário informativo serão desconsideradas.

    Obrigada a todos os que participaram. :)

    VAMOS AGUARDAR O RESULTADO DA NOSSA ENTREVISTA!
    ;)

    ResponderExcluir
:) :( ;) :D :-/ :P :-O X( :7 B-) :-S :(( :)) :| :-B ~X( L-) (:| =D7 @-) :-w 7:P \m/ :-q :-bd

Vai ser muito bom saber o que você achou dessa postagem!
Opine!