19 abril, 2014

Resenha: A Autoestrada

Resenha por Cinthia


Stephen King
– escrevendo como Richard Bachman
303 páginas
Suma de Letras

Quando o mundo se intromete em sua vida, um homem furioso decide dar o troco.
BART DAWES está no caminho do progresso.
O novo traçado de uma auto-estrada vai passar tanto pela sua casa quanto pelo seu local de trabalho. O momento não é o melhor para mexerem com sua vida. Seu filho morreu recentemente por causa de um tumor no cérebro e o relacionamento com sua esposa não vai bem. A notícia de que o local onde residem as suas memórias mais preciosas vai ser destruído, sem que ele possa fazer nada a respeito, leva a frustração e a raiva de Bart ao ponto de ebulição.

Nunca havia lido um livro do famoso Stephen King, então, ganhei o AutoEstrada do Blog Fundo Falso e o meu dilema foi solucionado, por livre e espontânea escolha aleatória!
É um suspense psicológico muito bem escrito e fiquei maravilhada com a coesão da escrita e pelos fatos sempre estarem se desenrolando de forma a dar nitidez nas atitudes do personagem principal. Não é atoa os inúmeros elogios que o autor recebe, pois ele trabalha muito bem seus personagens, até os que aproximam de Barton ou se afastam, mostram sua personalidade marcante em suas atitudes, e que por incrível que pareça, até os personagens criminosos, passam a ter uma sensatez em tentar evitar o inevitável.
Entretanto, esperava algo de terror e nesse livro não há nada de sobrenatural, mas, apesar disso, amei a história.
Barton George Dowes perde seu filho único devido um tumor no cérebro e logo em seguida sua casa e o local em que trabalhou durante toda a vida e se consolidou como pessoa são desapropriados pelo governo para a construção de uma autoestrada.
Como ele não havia se recuperado ainda da morte do filho, a notícia o desestabilizou ainda mais psicologimente, o trazendo a beira de surtos psicóticos constantes e o tornando uma pessoa completamente desequilibrada mentalmente com atitudes nocivas para todos que o rodeia.
  • Não, não aguento mais isso aqui. Se for para algum outro lugar...
  • Todos os lugares são iguais, a não ser que sua cabeça mude. Não existe nenhum lugar mágico para ajeitar sua cabeça. Se você estiver se sentindo uma merda, tudo que olhar vai parecer uma mereda. Tenho certeza disso. …
Uma das coisas que mais me agradadou foi a forma que o autor mostrou a trajetória dos acontecimentos, tudo muito bem elaborado. Ele conseguiu descrever, como uma pessoa aparentemente normal pode se transformar em um perturbado mental devido a dor em sua mente. Ele utilizou a gradativação dos fatos, traçando uma linha desde os primeiros indícios da perda da mente de Barton pelos sonhos perturbadores, prosseguindo com a voz que o acompanhava e o instruia, a mudança de hábito e atitude, a agressividade, o isolamento e no final a perda total da realidade.
Os capítulos mostram dia após dia do personagem Barton, por capitulação cronológica. Por eles sabemos o dia que se encontra cada ação. Estar na cabeça dele é um tanto perturbador. No início pode não fazer sentido, mas logo você passa a perceber o que é o real e qual a realidade da mente dele.
O mais interessante foi a mensagem principal passada pelo livro. Nossa sociedade está tão voltada a aparências e lucro, que usam a evolução e o desenvolvimento para encobrir o real: próprios interesses. Encima dessa fachada, não pensam o que podem fazer com famílias e com pessoas que não possuem uma personalidade complacente a mudanças, e muito menos fazem ideia que podem estar construindo seus próprios monstros, ou se fazem, ignoram isso.
Outra coisa muito importante no livro, foi o autor ressaltar as atitudes boas que Bart fez, o contraste entre a loucura x boas ações, ele caracterizou muito bem o personagem em sua doença mental. A busca pela destruição daquilo que o incomodava, mas a importância em coisas próximas que o atraiam ao afeto.
Um livro muito bem feito, mas que pode não agradar muito aqueles que esperam algo sobrenatural e ação. Mas, vão encontrar uma mente ardilosa de tamanha proporção e ver o contraste em um homem que a única coisa que fez na vida foi: trabalhar, estudar, ter uma família e lutar para adquirir uma casa, na qual, tinha o maior desejo, o de envelhecer e ter seus vizinhos de sempre.
Publicado originalmente em 1981, A Auto-estrada aborda a transitoriedade da existência humana como causa do grande fracasso de uma sociedade em amadurecimento. ?O livro foi um esforço para dar sentido à dolorosa morte da minha mãe, que faleceu um ano antes da publicação, vítima de um prolongado câncer. A doença a levou embora tirando dela cada pedaço, e eu fui deixado em aflição e sofrimento, balançado pela aparente falta de sentido em todas as coisas. "A Auto-Estrada é um livro que tenta profundamente parecer bom e encontrar algumas respostas para os mistérios que envolvem a dor nos seres humanos?, explica Stephen King.

Cinthia

11 comentários:

  1. Oie, tudo bom?
    Sou louca para ler algum livro desse autor. Acho que esse livro possui uma discussão bacana sobre o limite tênue da loucura e como as pessoas podem perder a sanidade.
    Interessante e instigante. Beijos!
    http://livrosyviagens.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A escrita do autor é fascinante, leia sim, sei que vai amar! Beijos.

      Excluir
  2. Resenha ótima Cinthia,sou suspeita em falar pq eu amo a maneira como King escreve (e o filho dele tbm Joe Hill) Ainda não tive tempo de ler esse livro, mas sua resenha me deixou com vontade de gigante, hehehehe ...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não me decepcionei, e também não li nada do filho dele, agora mais um para conhecer! Obrigada!

      Excluir
  3. Nunca li um livro do Stephen King em si, mas já vi várias adaptações de histórias dele pro cinema e pra TV, então acho que os livros devem ter a mesma qualidade.

    pensamentosquasediarios.blogspot.com

    ResponderExcluir
  4. Eu jurava que esse livro era de suspense rs! Gosto muito da escrita do Stephen King e esse livro esta direto em promoção, obrigada pela dica!

    ResponderExcluir
  5. Haha vou ler esse assim que terminar À Espera de um Milagre, do mesmo autor :D

    ResponderExcluir
  6. Stephen King manda muito bem. Recomendo vc ler A maldição do Cigano, para mim, o melhor livro que já li dele até hoje (e olhe que li muitos hem? rs)
    Beijos,
    Nanda do Maquiada & Esmaltada

    ResponderExcluir
  7. Se é do Stephen King deve ser bom!

    ResponderExcluir
  8. Adoro os livros do Stephen o único lado ruim neles é o preço, geralmente custam muito caro!

    ResponderExcluir
:) :( ;) :D :-/ :P :-O X( :7 B-) :-S :(( :)) :| :-B ~X( L-) (:| =D7 @-) :-w 7:P \m/ :-q :-bd

Vai ser muito bom saber o que você achou dessa postagem!
Opine!