03 março, 2014

Resenha: O Presente

O Presente — Cecila Ahern

Resenha por Daiani

Lou Suffern é o tipo de empresário que vive correndo atrás do sucesso, deixando de viver e aproveitar as coisas boas da vida por conta dessa correria; para ele estar em dois lugares ao mesmo tempo seria a solução de seus problemas, mas em momento algum ele pensa em sua família, pelo contrário, sempre que possível se encontra com outras mulheres.
Próximo do Natal ele oferece a Gabe – um mendigo que está sentado aos pés do prédio em que trabalha – um copo de café.
Eles conversam por algum tempo e Lou percebe que Gabe é um homem muito observador e fica se perguntando quem ele deveria ter sido antes de se tornar um mendigo.
Por esse e outros motivos Lou decidiu que precisava de um ‘olho observador’ no prédio e logo pensou em Gabe.
Porém as coisas não parecem andar por um caminho muito certo, Gabe é sempre muito misterioso e consegue chegar na frente de Lou e de todos com muita agilidade e rapidez, assim como consegue fazer várias coisas ao mesmo tempo, o que deixa Lou desconfiado e temeroso.
Pra piorar a situação Lou não consegue suportar as cobranças de sua esposa Ruth e de seus dois filhos pequenos, ele sempre promete aparecer mas nunca aparece pois sempre surge um evento mais importante em seu trabalho.
– O que está acontecendo? Não estamos nessa vida somente para trabalhar. Estamos nela para viver. Temos que começar a fazer coisas juntos, e isso significa que você tem de fazer algumas coisas por mim mesmo quando não quer e vice-versa. Se não for assim, qual o sentido?
– O que você quer dizer com “vice-versa”? Quando foi que eu a obriguei a fazer alguma coisa que você não quisesse?
– Lou – ela disse entre os dentes. – Essas pessoas são a sua maldita família, não a minha.
– Então cancele tudo! Eu não me importo.
– Você tem responsabilidades para com a sua família.
– Mas tenho mais responsabilidades para com o meu trabalho. A família não pode me demitir se eu não comparecer a um jantar, não é?
– Eles podem fazer isso sim, Lou – disse ela, baixando o tom. – Eles só não chamam o ato de “demitir”.
– Isso é uma ameaça? – perguntou ele, baixando a voz para um tom irritadiço. – Você não pode fazer esse tipo de comentário comigo, Ruth. Não é justo.
A história começa a tomar um rumo diferente quando Gabe oferece a Lou comprimidos homeopáticos para ‘dor de cabeça’ que o transforma em dois, agora ele pode estar em dois lugares ao mesmo tempo, mas o efeito só dura até o amanhecer.
Essa seria a solução para todos os problemas de Lou se ele não tivesse descoberto que não se fabricavam mais os comprimidos e que os que Gabe possuía estavam agora numa caçamba de lixo no meio de um líquido viscoso de cheiro horrível.

Parece surreal, e apesar de confusa no início a história é sensacional.
Juro que no início – quando a história começou confusa – eu achei que não gostaria do livro, apesar de ter gostado do que estava escrito na contracapa, mas me emocionei muito com o final, é com certeza muito lindo e eu recomendo a todos, de todas as idades e crenças!
“O tempo é mais precioso que ouro, mais precioso que diamantes, mais precioso que petróleo ou quaisquer tesouros. É o tempo, que nunca temos em quantidade suficiente. É o tempo que causa a guerra dentro de nossos corações. Devemos usá-lo com sabedoria. O tempo não pode ser embrulhado para presente e deixado embaixo de uma árvore na manhã de Natal.
O tempo não pode ser dado. Mas pode ser compartilhado”.
http://livrocomdieta.blogspot.com.br/2014/01/indomavel-nick-vujiciv.html 
Daiani Pedrobon

11 comentários:

  1. Quando esse livro foi lançado eu fiquei louca para comprar e ainda estou doida para conhecer a história. A premissa parece aquele tipo de narrativa que ensina algo para o leitor. Além disso, gosto muito dessa capa.
    beijos!
    http://livrosyviagens.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Eu curti o livro mais pela narrativa da Ahern mesmo; a forma como ela conta as histórias é leve e envolvente, sem apelações. Só que não achei a trama tudo isso, achei até bem previsível. É uma história bonita, mas não me levou ao ápice das emoções, por assim dizer.

    Um beijo, Livro Lab

    ResponderExcluir
  3. Oi Mallu, tudo bem?

    Li esse livro na época do Natal, quando resolvi ler vários livros natalinos. Gostei dele, mas confesso que não tanto quanto imaginei que pudesse gostar. Achei que algumas pontas ficaram soltas, além do mais, detestei o Lou.

    beijos
    Kel
    www.porumaboaleitura.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. kkkkkkkkkkkkkkkkkkk o Lou é um pé no saco mesmo :(

      Excluir
  4. Oie,
    realmente ele é lindo e trás uma grande lição de moral.
    Adorei este livro.

    bjos

    http://blog.vanessasueroz.com.br

    ResponderExcluir
  5. Daiani, amei a resenha! Quero lê-lo assim que for possível.
    Amo a escrita da autora, não é cansativa.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. ah Cinthia, quero muito que você leia.. ele é mto gostoso!!
      e é tão sentimental :s ensina muita coisa..
      mto lindooo!!!!

      Excluir
  6. Que doidera hahhahahah

    pensamentosquasediarios.blogspot.com

    ResponderExcluir
  7. Eu me sinto meio deslocada nos comentários desse blog, porque parece que eu sou a única que não conhece os livros resenhados

    pensamentosquasediarios.blogspot.com

    ResponderExcluir
  8. Achei a capa muito fofa, e me interessei pelo livro
    Ainda não conhecia.

    ResponderExcluir
  9. Que capa linda, e pelo livro ser da Cecelia ja se que é maravilhoso *-*

    ResponderExcluir
:) :( ;) :D :-/ :P :-O X( :7 B-) :-S :(( :)) :| :-B ~X( L-) (:| =D7 @-) :-w 7:P \m/ :-q :-bd

Vai ser muito bom saber o que você achou dessa postagem!
Opine!