04 setembro, 2013

Resenha: Os Escolhidos


As crônicas de Aedyn: Os escolhidos — Alister McGrath

Resenha feita por Mallu Marinho


Editora: United Press
Páginas: 184

Sinopse: A terra de Aedyn é um paraíso que está além de toda a imaginação. No entanto, quando tudo desaba, estranhos de outro mundo são chamados para lutar pela verdade. Pedro e Julia nunca suspeitaram que a viagem para a casa de seus avós teria algo fora do comum... Isso, porém, foi antes de Julia tropeçar em um jardim misterioso que brilhava em noites sem lua. Não foi, também, por acidente que ela caiu no lago e puxou seu irmão consigo. No entanto, eles agora estavam perdidos em outra dimensão, em um mundo estranho e sem saber em quem confiar. Será que poderiam acreditar nos lordes encapuzados? No monge idoso que só aparecia quando não era esperado? Ou nos escravos silenciosos com seus tenebrosos segredos? Em um mundo habitado por animais diferentes, com ruídos e barulhos esquisitos, duas crianças chamadas de um mundo paralelo terão de descobrir quem realmente são, travar uma intensa luta interior e, depois, liderar uma grande revolta.

Resenha: Fantasia nunca foi meu gênero favorito, mas confesso que me animei quando peguei “As crônicas de Aedyn” para ler, até por que faz uns bons anos que eu não lia uma crônica\fantasia\ficção destinado ao público juvenil.

E eu confesso também que me surpreendeu. Parecia ser meio bobinho no começo, pela forma como o autor escreve e pelo tema, porém se mostrou uma história muito bem desenvolvida.

É aquele tipo de livro fininho que você pega e ler numa “sentada”. Sem enrolação, sem descrições muito detalhadas; porém, que consegue te segurar. Aquelas histórias tipo contos de fadas que começa com “Era uma vez” e narra a história como se fosse o próprio autor falando, no caso, contado a história.

Não poderia deixar de falar da minha surpresa e felicidade ao descobrir que era um livro ilustrado... A parte gráfica é muito bonita e os desenhos são de um polonês chamado Voytek Nowakowski.

Vale ressaltar que o Alister McGrath, o autor, é um teólogo irlandês e assim que eu li a orelha do fundo do livro tive a certeza de que teria referências a Deus e não deu outra! Constantemente, ele insere nos capítulos crenças cristãs e a presença de um “Senhor do Exército”, “O Criador”, e outras menções. Quem tem problemas com isso, se sentirá facilmente incomodado porque é algo que é bastante explorado ao decorrer do livro.

“(...)
— Você está falando de Deus? – Júlia perguntou abruptamente. Ela nunca foi muito interessada em Deus, pois ele parecia muito distante, muito irreal, mas em Aedyn ela se sentiu fascinada. Até mesmo encantada.
(...)
— Nós o chamamos pelo nome que ele mesmo pediu para que usássemos. Ele é o Criador de todas as coisas, é aquele que guia e cuida de seu povo. É quem nos livrará de nossa escravidão.”
Página 86.


Aedyn é um mundo irreal e com suas próprias características... Chegou a me lembrar um pouco Nárnia, até por causa do contexto (irmãos escolhidos para salvar uma terra que fica em um “universo paralelo”, mas fazer essa comparação é babaquice da minha parte. Cada obra é uma obra e transmite algo diferente por mais parecidas que elas sejam.

A Júlia acaba sendo o foco do livro, afinal, ela que descobre o jardim que é o portal para Aedyn e acaba levando o irmão, o Pedro que não é tão explorado.
Não vou falar mais sobre essa aventura porque dar spoilers não seria legal da minha parte. Mas, um pequeno trechinho:

“Júlia corou, sem saber exatamente o que falar. Como ela poderia salvar alguém ou alguma coisa? Pedro sempre costumava importuná-la por der desajeitada e boba. Como uma menina de 13 anos poderia salvar uma nação de tal perversidade? Mas alguém teria que fazer isso. Talvez ela ainda tivesse que descobrir a si mesma. Tudo parecia tão – tão improvável. Mas como ela poderia ir embora deixando para trás tamanha necessidade?”
Página 108.

O que faltou foi um pouco mais de emoção. A história é legal, a escrita também, mas deixa a desejar no quesito suspense. Acaba sendo previsível o rumo que as coisas vão tomar e o final feliz. Não tem nenhuma situação em que você chegue ao ápice da curiosidade e acha que REALMENTE alguma coisa vai dar errado de verdade. Segue uma linha do típico “o bem vence o mal”. Como tem que ser, claro. O excesso de “evangelização” que também não foi legal.

E as crônicas já têm sua sequencia, chamada “As crônicas de Aedyn: O voo dos exilados”. Que é o segundo livro da trilogia que já foi lançado no Brasil.

Para quem curte esse gênero, eu recomendo! Ótimo livro para passar o tempo ou se distrair com algo leve e diferente. Mas tem que estar preparado para embarcar junto com os personagens ou vai parecer uma leitura chata e infantil. Fantasia exige um envolvimento ainda maior que os outros gêneros por não se tratar de algo que foge da realidade, que pode ser mais complexo por não ser concreto. É mais que ler: é ter imaginação e deixar-se guiar por ela!



Besos da Mallu.

30 comentários:

  1. ADOREIII sua resenha Mallu, principalmente quando vc ressalta que:"Fantasia exige um envolvimento ainda maior que os outros gêneros por não se tratar de algo que foge da realidade, que pode ser mais complexo por não ser concreto. É mais que ler: é ter imaginação e deixar-se guiar por ela!
    E é bem isso mesmo,eu gosto muito de livros desse gênero (um dos meus favoritos) e confesso q no inicio de sua resenha tbm me lembrei de Narnia, e com certeza vou ler esse livro, fiquei beeeem curiosa ^^

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Você vai ler e tirar suas próprias conclusões! Hahaha

      Beijos, Isa!

      Excluir
  2. Acho que eles acharam o lugar onde a Alice se perdeu hem? rs.
    Leria, bem lúdico!

    Uma beijoca,
    Nanda Cris

    Maquiada & Esmaltada
    Retalhos Assimétricos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito lúdico, você não irá se arrepender.

      Beijinhos!

      Excluir
  3. Que ótima sugestão para um momento de passatempo e revesar leituras. Ler algo leve e diferente, sem esperar tanto.
    Amei a dica! E gostei muito do tipo do livro.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Se você gostou, não perca tempo e assim que puder, leia! Vai gostar!

      Beijinhos!

      Excluir
  4. Gostei da resenha. Gosto bastante de fantasia e acho que iria curtir esse livro. Além disso, o livro é bem curtinho, daria pra ler em um dia.
    Beijos *---*

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Se você gosta de fantasia, PRECISA ler esse livro! É bem estruturado, desenvolvido e escrito. Acho que você vai gostar bastante!

      Beijos!

      Excluir
  5. Depois que da pequena comparação a Nárnia, durante toda a resenha eu fiquei vendo um pouco de C. S. Lewis, o fator cristão, meio que evangelizador - fazendo uma adendo que a relação de que Lewis criou uma alegoria entre Aslan-Cristo, é assunto ainda muito debatido... Bem, esse me parece ser um livro como você escreveu: livro para passar o tempo ou se distrair com algo leve e diferente

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Adorei a comparação entre o McGrath e C. S. Lewis, eu tinha percebido exatamente isso que você viu: leves toques e insinuações do cristianismo assim como em Nárnia.
      Mas como eu disse, não é uma leitura cansativa, não se cria muita expectativa. Você não vai se arrepender.

      Beijos!

      Excluir
  6. Já ouvi bastante gente falando desse livro, e ninguém falou mal do livro (isso quer dizer que merece uma chance né!!)
    Adorei sua resenha, e o livro com certeza entrou para minha wishlist :D

    Beijo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Merece sim e como é pequeno, você dá conta de ler em uma tarde livre!
      Obrigada pelo seu comentário!

      Beijos, Amanda!

      Excluir
  7. Adorei a resenha, mas livros fantasiosos demais não me enchem os olhos, mas não ouvi criticas ruins desse livro, quem sabe um dia hein ?

    beijos
    @heynaninha
    nannahguedes@hotmail.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que tal dar uma chance ao livro? Não vai se arrepender!
      Beijos.

      Excluir
  8. Mallu,
    Sua resenha está maravilhosa!
    Amei cada linha... cada explanação.
    Parabéns por ela.
    Muitas beijocas

    ResponderExcluir
  9. Lendo a resenha eu só pensava COMO CABE TUDO ISSO EM MENOS D 200 Páginas??

    Eu acho que fantasia não combina nada com ser previsível, bom quem sabe?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim! Eu também estou impressionada com o tamanho do livro para a quantidade de história. E o segundo livro tem ainda menos!

      Fantasia não costuma, mas esse eu achei que foi. Talvez porquê eu tenha criado expectativa... Que tal ler e tirar sua conclusões?! Acho que não irá se arrepender!

      Excluir
  10. Essa capa me lembrou muito a capa do Livro "O nome do vento" Mas achei ainda mais bonita.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu não conhecia, mas pesquisei e realmente parece... É uma capa muito bonita, falando nisso.

      Excluir
  11. Mais um livro que logicamente vou ler. Aliás, quero ler a trilogia. Gostei muito da resenha.

    ResponderExcluir
  12. Ótima resenha, mas a história não me interessou muito não...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Realmente, não é o tipo de história que agrada a todo mundo...
      Obrigada!

      Excluir
  13. Gostei da resenha! A maioria dos livros de fantasia são longos, e como venho de uma maratona de dois longos livros (quase 1000 pgs cada), estava procurando exatamente livros de fantasia curtos. Não gostei muito da religião envolvida (seja esta ou qualquer outra), visto que normalmente tem opiniões muito pessoais destes escritores, mas vou ler e conferir!

    ResponderExcluir
  14. Amo fantasia e esse chama, pelA capa, sinopse e pelo numero de paginas que nao é grande coisa, Gostei :)))

    ResponderExcluir
  15. Achei bonita a capa desse livro.
    Eu li a resenha do segundo, não conhecia. Parece ser legal!

    ResponderExcluir
  16. Coisas com "o criador" não me chamam muito a atenção... mas dependendo a forma que se é abordado, chego a ficar até curiosa! :P
    Adorei a citação: “(...)
    — Você está falando de Deus? – Júlia perguntou abruptamente. Ela nunca foi muito interessada em Deus, pois ele parecia muito distante, muito irreal, mas em Aedyn ela se sentiu fascinada. Até mesmo encantada.

    Achei tudo haver comigo certo pedaço dela! :D
    Parabéns pela resenha! :D

    ResponderExcluir
  17. Nunca tinha ouvida falar desse autor, mas como sempre gostei do gênero fantasia, fiquei com vontade de dar uma conferida nesse livro. :P
    Bjs

    ResponderExcluir
  18. Que legal, ainda não conhecia esse autor

    ResponderExcluir
:) :( ;) :D :-/ :P :-O X( :7 B-) :-S :(( :)) :| :-B ~X( L-) (:| =D7 @-) :-w 7:P \m/ :-q :-bd

Vai ser muito bom saber o que você achou dessa postagem!
Opine!