13 junho, 2016

Paixão ao Entardecer



Mesmo sendo uma família nada tradicional, quase todos os irmãos Hathaways se casaram, até mesmo Leo, que era o mais avesso a essa ideia. Mas para a caçula Beatrix, parece não haver mais esperança. Dona de um espírito livre, apaixonada por animais e pela natureza, Beatrix se sente muito mais à vontade ao ar livre do que em salões de baile. E, embora já tenha frequentado as temporadas londrinas e até feito algum sucesso entre os rapazes, nunca foi seriamente cortejada, tampouco se encantou por nenhum deles.
Mas tudo isso pode mudar quando ela se oferece para ajudar uma amiga.
A superficial Prudence recebe uma carta de seu pretendente, o capitão Christopher Phelan, que está na frente de batalha. Mas parece que a guerra teve um forte efeito sobre ele, e seu espírito, antes muito vivaz, se tornou bastante denso e sombrio.
Prudence não tem a menor intenção de responder, mas Beatrix acha que ele merece uma palavra de apoio mesmo depois de tê-la chamado de estranha e dito que a jovem é mais adequada aos estábulos do que aos salões. Então começa a escrever para ele e assina com o nome da amiga. Beatrix só não imaginava o poder que as palavras trocadas teriam sobre eles.
De volta como um aclamado herói de guerra, Phelan está determinado a se casar com a mulher que ama. Mas antes disso vai ter que descobrir quem ela é. 



Os Hathaways # 5
Lisa Kleypas
272 páginas
Arqueiro

- Gosto dele – declarou ela, abraçando Beatrix e logo recuando para olhar para a irmã, com um sorriso no rosto. – Parece ser um homem bom e honrado.                                                                                                                      - E corajoso – acrescentou Cam.                                                                         - Sim – Amelia concordou muito séria. – Não se pode esquecer o que ele fez na guerra.                                                                                                                    - Ah, não estava falando disso – disse Cam à esposa. – Estava me referindo ao fato de ele desejar se casar com uma das irmãs Hathaways.




O último livro da série e o mais esperado por mim por ser o de Beatrix Hathaway.
De todos os Hathaways ela é a mais peculiar, a que não segue nenhum tipo de protocolo da sociedade e também não conseguiu se habituar em local algum, detestou ir aos bailes da temporada, e só se sente bem com a família e na floresta da propriedade dos Hathaways.
Nesses bailes ela teve oportunidade de conhecer alguns candidatos, mas o que mais chamou a atenção dela foi um lorde chamado Christopher Phelan. O problema de Phelan era que não tinha olhos para Beatrix, e sim para a amiga dela Prudence.


- Já ouve dezenas de vezes no passado em que eu deveria ter gostado de algum cavalheiro em particular. Ocasiões convenientes, apropriadas, fáceis. Mas não, quis esperar por alguém especial. Alguém que faria meu coração parecer ter sido pisoteado por elefantes, jogado no rio Amazonas e devorado por piranhas.Amelia sorriu com compaixão e pousou a mão enluvada sobre a da irmã.
- Bea, querida. Consolaria seu coração saber que a sensação de paixão cega é absolutamente comum?                                                                                          - O que estou sentindo é uma paixão cega? – ela se ouviu perguntar baixinho. – Porque parece ser algo muito pior. Como uma doença fatal. 


Como Napoleão se aproxima com suas forças, a guerra é algo iminente, Phelan se alista e vai para a guerra. Lá ele resolve escrever para Prudence tentando obter um pouco de humanidade para si, e comenta na primeira carta que encontrou um cachorro.
Prudence não está nem um pouco ansiosa por respondê-lo, mas ao ler sobre o cachorro, Beatrix se prontifica a ajuda-lo e passa a corresponder com ele em nome de Prudence.
O capitão Phelan sobrevive à guerra, volta como um herói e com o intuito de desposar a mulher que tanto o ajudou em meio a tanta insanidade. 

- Não. Christopher se moveu com surpreendente rapidez, imprensando-a contra uma das colunas de madeira da baia. A voz dele era baixa e rouca. – Vamos começar da seguinte forma: você ajudou Prudence a escrever aquelas cartas?...                                                                                                                   - Você sabe de alguma coisa – Christopher insistiu. – E vai me contar o que é.


Pronto, a confusão foi armada!

Como todo soldado, ele chegou com sequelas da guerra e traz o cachorro que foi seu companheiro, Albert. Ambos traumatizados, com sérios problemas para ficar perto das pessoas devido a fobia e sensibilidade sensorial.
Quando Beatrix percebe os problemas em Albert, ela logo se prontifica a ajuda-lo da forma usual dela. Querem saber? Leiam!

Ela não consegue ficar longe de problemas!

- Eu...Sta. Hathaway... não acho que seria seguro. Nem sensato.            - Sra. Clocker, minha família sempre acreditou que quando nos deparamos com problemas grandes, de solução aparentemente impossível, as melhores saídas são encontradas pelas pessoas insanas, não pelas sensatas. 


Foi uma ótima leitura, não conseguiu ser tão bom quanto o primeiro, o romance entre Cam e Amélia, e suas tiradas nas falas são imbatíveis, só Leo consegue ser irônico o bastante para chegar perto. A autora não conseguiu introduzir bem um personagem/fatos de forma a dar coesão, ficou um tanto forçado só para dar um final para outro personagem, creio que ela teria sido mais feliz ter deixado em aberto, só insinuado algo e feito um spin off  a respeito desses outros dois.

O trabalho da  Arqueiro nessa série foi espetacular, pouco encontrei erros, e os que encontrei não atrapalham a leitura. A capa é linda, o verde de Beatrix, sempre na floresta, sempre a luz do sol ou com os animais, ela é da natureza, aquela que não pode ser contida e enclausurada, sua beleza consiste nisso.

A relação entre Phelan e Beatrix ficou entre o hilário e o desastre total, mas conseguiu chegar em um consenso justamente por ela ser tão peculiar e precisar de alguém que a aceitasse como ela era.

Vou sentir muita saudade dessa série, foi muito divertido lê-la, um prazer enorme.

Amei cada frase dessa família, como se viam e aos outros, a tolerância, o amor, a construção paulatina dos relacionamentos, as discursões que eram discursões e nunca se tornavam brigas.

Sentindo-me saudosa!


- Sobre o quê? – quis saber Beatrix. – O que há para pensar? Porque ele está demorando tanto para tomar uma decisão?                                                           - O capitão Phelan é homem, querida – explicou Amelia com gentileza. – Pensar demais é muito difícil para eles.                                                               - Ao contrário das mulheres – retorquiu Leo -, que têm a incrível habilidade de tomar decisões sem pensar nem por um instante.




24 comentários:

  1. Haha'ameeeeei sua resenha *-------*
    Acho que foi uma das que mais gostei, no finalzinho você diz que não foi o livro que mais gostou (que o primeiro era melhor) mas nem da pra sentir isso lendo sua resenha.
    Amei, parabéns!!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Gosto muito da Beatrix e de toda família, mas ela sempre me fez rir demais. Nesse livro, teve muito dela, mas realmente a autora ao inserir um personagem no final acabou estragando ao invés de fazer um drama. Que bom que tenha gostado!

      Excluir
  2. Paixão ao entardecer não foi o meu livro favorito, mas eu gostei. Deu para conhecer um pouco mais da personalidade da Beatrix e ver o amor que tem pelos animais. Gostei bastante do Albert ter voltado da guerra junto com o Capitão Phelan. Foi um toque fofo. Também achei que a autora forçou um pouco as situações para dar um final.
    Meu preferido também é o livro da Amélia e do Cam.
    A capa é linda como todas as outras.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ela forçou muito as situações para dar um final para dois personagens a mais. Fiquei horrorizada, sério! Beatrix sempre foi uma das minhas favoritas, ou favorita. Mas, o livro dela não chega aos pés do casal Amélia e Cam.

      Excluir
  3. Nossa Cinthia, eu achava que esse seria seu livro preferido por ter a Beatrix e você ter amado ela em todos os outros livros. A história parece interessante, gostei do toque um pouco dramático de uma guerra. De todos os livros da série admito que o que mais me interessou foi Manhã de Núpcias mas esse também parece ótimo. E, como sempre, amei a resenha e queria mais quotes. Beijinhos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Jade, achei difícil que iria sobressair mais do que o primeiro livro, mas não pensei que a autora fosse fazer uma besteira logo no último livro. Não é grande, só forçou demais algumas coisas. E o final, sinceramente esperava algo mais. Não foi tão "OH".

      Excluir
    2. Jade, achei difícil que iria sobressair mais do que o primeiro livro, mas não pensei que a autora fosse fazer uma besteira logo no último livro. Não é grande, só forçou demais algumas coisas. E o final, sinceramente esperava algo mais. Não foi tão "OH".

      Excluir
  4. Adoro ler esses trechos dessa saga! São muito românticos ou irônicos e isso é bem legal! Acho que essa é uma confusão muito grande hein, a que a Beatrix foi se meter hahaha mas no final, até ela acaba se apaixonando :D
    Bom, vou tirar minhas concretas conclusões quando ler a saga hehehe Que bom que você gostou da leitura Cinthia :D

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Lavinia, quase sai catando quotes e fiz tudo em quote. Sério! Amo as tiradas de conversas deles.

      Excluir
  5. Oi, tudo bem?
    Gostei muita da sua resenha, apesar de não conhecer essa serie, suas palavras me deixaram bem curiosa a respeito do desenrolar dessa história. Se tiver oportunidade, vou procurar ler. Muito obrigada pela dica. Abraços.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Procure, é bem interessante.
      De nada. Beijos.

      Excluir
  6. Gostei demais!
    Principalmente por ela gostar de animais e da floresta <3
    Percebi que será um romance engraçado e muito fofo!
    A capa está linda demais.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Beatrix é muito engraçada devido a desproporção de tudo que ela faz para a época que vive. E sim, é fofo! Muito linda a história.

      Excluir
  7. Oi! Eu já li esse livro e também Manhã de Núpcias, quero ler ainda todos da série, mas confesso que não sei responder qual desses dois é melhor. Esse casal desse livro já começa com um pé errado, digamos. Por meio de cartas se revelam, mas compreendo a mocinha por guardar em segredo, ele não foi muito gentil da vez que se viram, acho que eu faria o mesmo, talvez. Mas quando ele regressa é a melhor parte, quando começa a entender tudo sem ao menos se dar conta disso. E o jeito que ela cuida dele e a forma que ele se preocupa com ela é tão fofo.
    Amei.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nadja, realmente. O romance dos dois foi lindo, fofo! Não teve defeito. Para mim a autora só pecou ao introduzir o retorno do personagem no final apenas para incluir um final para a cunhada dele. Foi forçado demais. Mas, o romance, foi lindo.

      Excluir
  8. Oi oi,

    já li essa série e amei também, mas, diferente de você, esse livro foi o meu favorito! Eu achei o casal e a história perfeita! Uma pena que você não curtiu tanto...

    Beijos!
    Participe do sorteio de um kit de Mimos da Editora Arqueiro
    http://www.mademoisellelovesbooks.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O Casal foi perfeito, mas ainda prefiro o primeiro. Foi mais leve, sem tantos problemas, sem precisar cuidar de feridas tão abertas. Agora a introdução e finalização do casal dois, achei forçado.

      Excluir
  9. É tão bom e tão ruim ao mesmo tempo quando chegamos ao fim de uma série! É bom por ver o desfecho, o "felizes pare sempre" de todos, mas ruim porque vai deixar saudades...
    Bom, não sou muito chegada a romances de época, então essa série nunca chamou a minha atenção (exceto pelas capas, que são inegavelmente lindas).
    Acredito que a confusão das cartas e o jeito da Beatrix sejam motivos para boas risadas no decorrer da leitura. Mas para mim, não embarcarei na leitura de um romance de época tão cedo...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Um final totalmente feliz dentro dessa família é meio difícil, é um final feliz cheio de "tudo que a vida traz de tudo" superando dia a dia. E foi disso que gostei.

      Excluir
  10. Amo esta serie. Também acho que nenhum livro é melhor que primeiro, mas são todos ótimos. Beatrix é realmente uma figura e Phelan foi um par ideal para ela. Queria um spin off com alguns dos personagens do hotel, da família na Irlanda e até da Prudence. Adorei os quotes separados.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eita menina fútil essa Prudence! Queria que tivesse sido spin off com a cunhada do Phelan... E, os livros são ótimos, e também acho Phelan perfeito para a Beatrix. Amei cada livro de forma diferente. Só apaixonei pelo amor de Beatrix pelos animais e pela bagunça que eles causavam na vida de todos e como todos aceitavam os animais dela. A cada acordo deles, eu caia na gargalhada.
      Obrigada.

      Excluir
  11. Bom, eu ainda não li nem um livro da autora Lisa Kleypas, mas como gosto muito de livros do gênero romance de época, pretendo ler este livro, acredito que irei gostar da história.

    ResponderExcluir
  12. Oi!
    Logo no começo da resenha gostei muito da Beatrix, achei a personagem diferente dos padrões das moças de época e fiquei bem curiosa sobre quando o Christopher ira descobrir a verdade me deixou bem curiosa para pode ler !!

    ResponderExcluir
  13. Ola,
    Aahhh eu preciso começar a ler essa série logo hahahah, pelo visto ela é ótima, amei a resenha e tenho certeza de que vou amar, gosto do gênero e essas mulheres que não concordam com as regras da sociedade são as que mais me agradam hahahah.
    Beijos *-*

    ResponderExcluir
:) :( ;) :D :-/ :P :-O X( :7 B-) :-S :(( :)) :| :-B ~X( L-) (:| =D7 @-) :-w 7:P \m/ :-q :-bd

Vai ser muito bom saber o que você achou dessa postagem!
Opine!